18 de dezembro de 2015

As restaurações:


Quando vamos ao dentista, apenas falamos que precisamos de uma restauração, mas você sabia que cada restauração que fazemos possui uma classificação?
Elas são chamadas de CLASSIFICAÇÃO DE BLACK, e vão de Restauração classe I à Restauração classe VI. Vamos lá:
Classe I – Face oclusal dos dentes do fundo(no meio/cima dos dentes do fundo), na parte de trás dos dentes da frente, um pouco abaixo da gengiva (dentes superiores).
Classe II – Nas proximais dos dentes do fundo, ou seja, entre os dentes do fundo.
Classe III – Quando afeta os dentes da frente e NÃO compromete a pontinha do dente.
Classe IV – Quando afeta os dentes da frente e COMPROMETE a pontinha do dente.
Classe V – Aquelas restaurações bem próximas a gengiva de todos os dentes.

8 de dezembro de 2015

Saliva protege o esmalte dos dentes



É verdade que a saliva protege contra as cáries?

Sim. O líquido é composto por um conjunto de enzimas, carbonatos e proteínas que protegem o esmalte do dente. Além disso, “graças ao carbonato, a saliva possui a propriedade de neutralizar a ação dos ácidos produzidos pelas bactérias presentes na cavidade bucal, que atacam o esmalte do dente”, explica o odontopediatra Danilo Antonio Duarte, da Universidade Santo Amaro, em São Paulo. A saliva também ajuda a devolver aos dentes os minerais perdidos durante o processo de mastigação. Pessoas que possuem um bom fluxo salivar, isto é, grande quantidade de líquido, estão mais protegidas. Isso porque a saliva ajuda a autolimpeza dos dentes, facilitando a eliminação dos ácidos presentes na boca.

super.abril

12 de novembro de 2015

Microrganismos:


Você sabia que algumas doenças bucais podem ter origens microbianas? Algumas são causadas por fungos, bactérias e vírus.
Os exemplos mais comuns são:
× Cáries -> Bactérias
× Herpes labial -> Vírus
Já o famoso “sapinho” que costuma aparecer muito em crianças, tem como o principal vilão os fungos.
Por isso é sempre muito importante procurar ajuda de um profissional para saber qual é a causa do problema e realizar o tratamento certo.

3 de novembro de 2015

××*Cárie de mamadeira: problema comum aos bebês*××


× Você faz a higiene bucal de seu filho sempre depois das refeições. Mas, durante a madrugada, dá um chá adoçado e volta a dormir sem fazer a higiene da boca. O resultado pode ser cárie nos dentes. "É a chamada cárie de mamadeira, o tipo mais comum em crianças até 2 anos. Está associada ao hábito de a criança adormecer tomando líquidos açucarados ou usar chupetas com mel ou xaropes", explica o odontopediatra Daniel Korytnicki. O costume favorece a cárie porque, quando a criança dorme, a salivação diminui, reduzindo-se a proteção natural que ela exerce sobre os dentes. "Nessa hora, as bactérias utilizam o açúcar para produzir ácidos que rapidamente destroem a superfície dos dentes", esclarece o especialista.
Manchas:
× O primeiro sinal da cárie de mamadeira é o aparecimento de manchas esbranquiçadas e opacas nos dentes, segundo a odontopediatra Doris Rocha Ruiz. "Se a cárie é detectada nessa fase, pode ser revertida com a aplicação de flúor. Daí a importância das visitas frequentes ao odontopediatra", alerta a dentista, acrescentando que a cárie pode evoluir para uma infecção no dente, formando um abscesso, e afetar a formação da dentição permanente ou até levar doenças ao restante do organismo.
× Um bebê pode ser mais suscetível a cáries do que outro, o que também conta para o aparecimento do problema, mas bons hábitos são decisivos para evitá-las."Dificilmente a criança que tem boa higiene bucal terá uma cárie por ter adormecido eventualmente com a mamadeira na boca", explica a odontopediatra. O problema é a situação não ser eventual, ou seja, seu filho acordar todas as noites com fome. "Aí, há algo errado. É preciso checar se essa criança está se alimentando bem durante o dia ou se há desconforto, como frio ou fralda molhada, em vez de tentar logo acalmá-la oferecendo-lhe leite à noite", diz.
Limpeza:
× Antes do aparecimento dos dentes, o ideal é que as gengivas do bebê sejam limpas com gaze ou fralda limpa umedecida em água filtrada. Assim que nascerem, devem ser escovados com pasta de dente sem flúor, após as refeições principais e antes de dormir. "Em último caso, se a criança adormeceu tomando leite ou suco, deve-se oferecer a ela uma mamadeira com água para limpar um pouco a região", orienta Doris.

Proteção:
× Se o seu filho precisa da sucção para adormecer, não lhe dê nessa hora mamadeira com qualquer outro líquido que não seja água. 

× Evite usar a mamadeira para confortar o bebê. Para que ele vá deixando o hábito de acalmar-se sugando, comece a ensiná-lo a beber no copo ou na caneca por volta do primeiro aniversário. 

× Jamais mergulhe a chupeta do bebê em mel ou líquidos açucarados. 

× Evite adicionar açúcar aos alimentos de seu filho. 

× Visite um odontopediatra assim que os primeiros dentes de leite irromperem na boca do bebê.




revistacrescer

15 de outubro de 2015

Herpes Labial



O herpes labial é uma infecção que se produz por um vírus muito contagioso, que se propaga facilmente ao tocar uma ferida ativa. A infecção provoca bolhas pequenas e dolorosas, que além de serem antiestéticas, também podem propagar facilmente a infecção, simplesmente através do contato de pele com pele.

Esta infecção, comum na região da boca, é causada pelo vírus do herpes tipo 1 (VHS-1), que costuma infectar pessoas desde um pouco antes dos 20 anos. Uma vez que a pessoa tenha a sua primeira infecção, o vírus “adormece” nos tecidos do rosto e, em algum momento, pode voltar a despertar, provocando de novo estas incômodas feridas.

Na maioria dos casos, o herpes labial é produzido pelo vírus do herpes simples tipo 1 (VHS-1) que costuma ser mais fácil de combater.

O vírus do herpes labial pode se propagar muito facilmente de pessoa para pessoa, quando alguma das duas tem uma ferida ativa ou uma lesão de herpes. Portanto, deve-se evitar o contato direto ou íntimo com uma pessoa que sofra com este problema e evitar tocar a lesão ou usar algo que tenha estado em contato com a mesma, como por exemplo máquinas de barbear, toalhas, pratos ou outros artigos.

melhorcomsaude

15 de setembro de 2015

Verrugas


Caracterizadas por pequenos crescimentos não dolorosos na pele, as verrugas podem ser inofensivas. Entretanto, elas podem ser um indicativo de HPV, o Papilomavirus humano. "O principal sintoma do HPV são as verrugas achatadas e esbranquiçadas, com um formato bem peculiar de 'crista de galo'", afirma a dentista Vivian Farfel. As verrugas decorrentes do HPV podem aparecer nas pontas das papilas da gengiva, na língua, bochecha, garganta e no palato.
Caso você suspeite de HPV, procure um médico ou dentista para que ele possa examinar o local e encaminhar você para fazer os exames necessários. A doença pode ficar latente no corpo durante muitos anos, sem apresentar qualquer sintoma, e a principal via de transmissão é sexual. Se não for tratado, o HPV bucal pode causar sérias complicações, como câncer de garganta.


minhavida

19 de maio de 2015

Tratamento de canal em dentes de leite?



Sim. Infecção por cárie, má formação da dentina e fraturas são alguns dos motivos que justificam esse tipo de procedimento nos dentes de leite. Confira:
É sempre uma grande surpresa quando damos a notícia para os pais de que será necessário fazer um canal no dente de leite do filho. Eles nos olham atônitos, incrédulos, sem realmente entender como é possível, dentro daquele minúsculo dentinho, existir um canal igual ao de um dente permanente. Muitas vezes, dois, três canais, dependendo do dente. Como?
Alguns pais acabam não se preocupando muito com os dentes de leite por acreditarem que dentro dele não existe absolutamente nada, ficam ali grudados na gengiva e um belo dia caem, simples assim!
Esse pensamento é comum porque, quando o dente amolece e cai, vemos apenas a coroa dele e nada mais. É que a raiz que mantinha o dente preso ao osso sofreu um processo chamado “rizólise”. Isto é, foi lentamente reabsorvida para dar espaço ao dente permanente, que aos poucos veio tomando o lugar do decíduo.
A prevenção deve ser feita o quanto antes para que esse mito não torne menos importante todos os cuidados tomados numa dentição decídua. Dente de leite tem raiz, polpa e terá, sim, que ser feito o canal em várias situações: infecção por cárie, má formação de dentina ou esmalte, trauma, fratura ou qualquer coisa que venha expor ou infectar esse local tão bem fechado dentro do dente.
O tratamento endodôntico nada mais é do que a retirada ou esvaziamento da parte viva do dente e sua obturação. São feitas radiografias, usadas “limas” como nos adultos e o isolamento absoluto, que é a colocação de um pedaço de borracha (como um lenço) na boca da criança, deixando para fora apenas o dente a ser tratado, evitando assim a contaminação. A polpa (que fica dentro da raiz) tem um aspecto vermelho gelatinoso e contém toda vascularização que liga o dente com o resto do corpo.
Depois que o canal é esvaziado, devidamente limpo e seco, será preenchido por um material restaurador especial que manterá o espaço interno asséptico (sem bactérias) e será reabsorvido de maneira natural, junto com a raiz no tempo certo.
Sempre busque ajuda de um especialista, porque, quanto menor a criança, maior o grau de dificuldade. Em crianças especiais, o tratamento pode contar com a ajuda de anestésicos inaladores ou anestesia geral.
Por mais impossível que pareça, muitas crianças acabam até dormindo na cadeira, o que facilita muito no tratamento. É importante que as experiências negativas dos pais não interfiram nesse processo, pois a ausência do medo torna tudo mais simples e a tranquilidade da criança significa sucesso para o profissional.
Para que a criança não precise passar por isso, é fudamental que os pais cuidem com carinho dos dentinhos dos filhos. É sempre uma luta árdua diária fazer com que os pequenos nos deixem escovar seus dentes sem nos levar ao limite da paciência. Mas, acredite, um sorriso gostoso faz cada minuto dessa batalha valer a pena!
Marta Haddad (revistacrescer.globo)

15 de abril de 2015

INTERESSANTE!!!
Dente do siso: ter ou não ter... eis a questão...
Leia: 

http://goo.gl/GRmRm8

 



14 de abril de 2015

CAUSAS DA PERDA ÓSSEA NOS DENTES


A perda óssea ao redor dos dentes acontece por uma inflamação crônica da gengiva causada pela falta ou deficiência da escovação (acúmulos de placas) que avança para a raiz. Alguns sinais que podem indicar o problema são a mobilidade e o sangramento da gengiva. Nesses casos é importante procurar um especialista para avaliar e indicar o melhor tratamento, que pode variar de uma simples limpeza à raspagem profunda ou ajuste de mordida. Para evitar o transtorno, faça sempre uma boa escovação, use o fio dental sempre e visite regularmente o dentista.


revistavivasaude

13 de abril de 2015

DOENÇAS DETECTADAS PELOS DENTISTAS:


É comum que as pessoas só apareçam no consultório odontológico quando sentem dores de dente, ou quando é preciso levar as crianças periodicamente. Os especialistas afirmam que não é apenas quando aparece uma cárie ou uma dorzinha que é necessário ir ao dentista.
Uma prática pouco é a chek-up odontológico que além de combater e prevenir doenças dentárias, pode identificar quadros crônicos e graves que não têm relação com a boca,"por meio de um exame clínico e uma avaliação bem orientada, pode-se obter a hipótese diagnóstica das mais variadas doenças, como o diabetes, câncer e AIDS”, explica Sandra Oyama, cirurgiã-dentista do Hospital Santa Isabel (SP).Segundo ela, isso acontece porque todas as enfermidades atingem o corpo humano de forma geral, impactando as mais diversas partes do organismo e provocando alterações no metabolismo. A VivaSaúde, junto com especialistas listou as doenças que podem ser diagnosticadas pela boca. Saiba como prevenir com a ajuda de seu dentista.
Diabetes
Ao contrário do que muita gente pensa, os idosos não são as únicas vítimas dessa desordem metabólica. Embora seja raro, o do tipo I atinge, sobretudo, crianças e jovens com menos de 25 anos. Independente da forma como se apresenta, a patologia gera um hálito cetônico, que surge devido a pouca disponibilidade de glicose como fonte energética. Isso leva o organismo a buscar nas gorduras uma compensação. "Quando há queima de gorduras para produzir energia, surge um subproduto chamado de cetônicos, os quais são eliminados pela respiração, dando ao indivíduo um hálito com cheiro adocicado", esclarece Sandra. Esse sintoma já é suficiente para o dentista encaminhar o paciente para o médico confirmar o diagnóstico. Todavia, outras alterações bucais podem denunciar o problema, tais como: diminuição da quantidade de saliva e maior concentração de cálcio nela; alterações na coloração do esmalte do dente (ou não formação de esmalte); dor e queimação na língua e grande quantidade de cáries.
Osteoporose
A cirurgiã-dentista comenta que, como se trata de uma moléstia que diminui a massa óssea, as principais manifestações bucais são o excesso de fraturas nos dentes, o agravamento de
doenças periodontais e a dificuldade de adaptação de próteses (como dentaduras) e implantes dentários. Esse último transtorno ocorre devido à perda de osso nas regiões da maxila e mandíbula. “A doença é mais prevalente em mulheres. Se a paciente é magra e começa a ter várias fraturas dentárias, eu já peço que ela vá ao ginecologista e faça o exame de densitometria, que mede a massa óssea do fêmur e da coluna para diagnosticar a osteoporose”, completa.
HPV (Papilomavírus Humano)
Nome genérico para um conjunto de mais de 100 tipos de vírus, o HPV é outra Doença Sexualmente Transmissível (DST) detectável pelo especialista em saúde bucal. No entanto, ele só consegue fazer o diagnóstico quando há a presença de uma lesão do tipo couve-flor (nódulos pequenos rosados ou esbranquiçados) no interior da boca. Sandra destaca que essa lesão pode ser tratada por meio de medicamentos locais, remoção cirúrgica e crioterapia — procedimento que consiste no congelamento e destruição do tecido anormal.
AIDS
A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) provoca uma diminuição progressiva das defesas do organismo, tornando o paciente suscetível a toda sorte de infecções. O dentista Pannuti afirma que isso facilita o aparecimento de lesões e neoplasias bucais, além de um câncer conhecido como Sarcoma de Kaposi, causado pelo herpesvírus de tipo 8 (HHV-8). O sarcoma manifesta-se principalmente no palato e na gengiva e possui a forma de nódulos de coloração avermelhada que sangram facilmente. Ele é o principal indício de que o indivíduo pode ser soropositivo.
Câncer
Pannuti ainda destaca que não é comum um câncer que tenha acometido outra parte do corpo evoluir ao ponto atingir a boca. Entretanto, quando acontece, normalmente ele é detectado na forma de uma ferida ulcerada que cresce a partir da gengiva. “Ela pode ser confundida com outros tipos de lesões, mas o fato de não cicatrizarem é uma característica que possibilita o diagnóstico diferenciado.”

revistavivasaude

9 de abril de 2015

O que é restauração?




Muitos a chamam de obturação, mas o termo correto é restauração, afinal iremos restaurar/ devolver a forma e função original de parte do dente ou de todo o dente com algum material de escolha.
Restauramos um dente quando ele quebra/ fratura ou por cárie ou por estética. No caso de fratura/quebra removemos as bordas de esmalte sem suporte de dentina, tratamos o dente e então restauramos. No caso de cárie, removemos todo o tecido cariado do dente, trataremos a superfície do dente e então restauramos. No caso de estética, pode ser ou a troca de uma restauração de metal por uma de material estético, neste caso, removemos a restauração antiga e com isso acabamos removendo um pouco de estrutura dental.


odontologianabocadopovo

1 de abril de 2015

ATENÇÃO: Problemas de saúde bucal passam de mãe para filho!


Durante os primeiros meses de gravidez, é comum que enjoos e vômitos façam parte do cotidiano das gestantes. Entretanto, oque nem toda mulher sabe é que esses sintomas podem provocar erosões ácidas ou descalcificação na superfície dos dentes – o que, posteriormente, acarreta periodontite. Sem que a mãe esteja com a saúde bucal adequada, “o bebê pode nascer prematuro. Mas, ao desenvolver a dentição, o problema pode se agravar mais. As bactérias causadoras da cárie – que estão na boca da mãe – podem ser transmitidas por meio da saliva. Por exemplo, quando ela assopra a comida da criança”, explica Fernanda de Morais Ferreira, professora de Odontopediatria da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

revistavivasaude